sábado, 15 de julho de 2017

VI Domingo depois de Pentecostes "Comeram todos e ficaram saciados" (Ev.)

Jesus e o milagre da multiplicação dos pães e peixes
Um grande pensamento domina toda a liturgia de hoje: a necessidade de destruir o pecado por meio de um arrependimento sincero, e de pedir a Deus a graça de não cair novamente nele. É pelo Batismo que morremos para o pecado e é na Eucaristia que encontramos as forças necessárias para podermos caminhar sem desfalecer no caminho da virtude. A Igreja impregna ainda do pensamento destes dois sacramentos que conferiu aos fiéis na Páscoa e no dia de Pentecostes, e continua a falar deles neste tempo. As lições de matinas conta-nos com efeito o caso lamentável de Davi, em que este poderoso monarca sucumbiu as insinuações malignas da serpente, demonstrando que todo homem conserva sempre a lama original de que Deus o formou.

Queria Davi casar-se com Betsabé, esposa de um dos oficiais do exército, e para conseguir tal feito enviu o general Urias que andava em campanha para um lugar perigoso onde o risco de morte era iminente. Urias efetivamente morreu e Davi consegui se casar com Betsabé, de quem teve um filho. Mandou então o Senhor ao Rei o profeta Natan a dizer-lhe: "Ó Rei, havia na cidade dois homens, um rico outro pobre. O rico tinha ovelhas e manadas de bois em grande número, o pobre não tinha coisa alguma senão uma ovelhinha que ele comprara e criava e que tinha crescido juntamente em sua casa com seus filhos, comendo do seu pão, bebendo do mesmo copo e dormindo no seu regaço. Ele lhe queria como filha. Como pois, um forasteiro quiseste ver o rico, não querendo pois, tocar nas suas ovelhas, nem nos seus bois, para dar um banquete aquele forasteiro tomou a ovelha do pobre para dar de comer ao hóspede". Davi indgnado exclamou: "Porque Deus, que tal homem era merecedor de tal morte!" E tornou Natan a dizer: "Pois és tu este homem. Tinha todas as donzelas de Israel mas para escolher sua esposa violentasse a mulher de Urias. Por isso Deus sucitará da tua própria casa a tua desgraça." Então Davi arrependido exclamou: "Ai de mim  que pequei contra o Senhor!" E tornou Natan: "Por causa do teu arrependimento o Senhor perdoou-te. Não morrerás mas serás castigado e o filho de betsabé perecerá." Passado o tempo o pequeno morria e Davi oprimido pela dor ia prostar diante do templo  diante de Deus.

Davia, comenta Santo Ambrósio, não pode tolerar o peso do pecado que oprimia e sem dilação  confessou diante do Senhor o seu crime. A maioria dos homens não o faz assim pois, onde se encontra hoje um homem mais rico que os seus vizinhos, que não se irrita com outras coisas consideradas indignas de sua considerada posição social, se seu confessor o repreende e aconselha a seguir por caminhos mais retos e mais santos! Mas os santos do Senhor que ardem por avançar nas apertadas fendas que levam a Deus, se lhes acontece de cair, levantam-se com maior ardor para a carreira e estimulados pela vergonha da queda, redobram de coragem no combate para ressacir, e sempre com vantagem, o inadvertido lapso.

A missa completa maravilhosamente as lições do breviário. Na Epístola São Paulo nos recorda com insistência, que, uma vez mortos para o pecado, no Batismo, devemos viver a vida nova, a vida que é sem pecado e que vem de Deus. Caso venha ocorrer que caindo em pecado, estando então na grande desgraça de nos despojar dessa vida nova, deveremos então recorrer aos pés de Deus implorar o seu perdão para continuarmos a louvá-lo em torno do altar. Deus não deixará de ouvir a nossa prece e de firmar os nossos passos na vereda dos seus mandamentos, porque ele diz que é a coragem, o escudo e o guia de seu povo. O Evangelho, finalmente, aponta-nos a fonte divina aonde devemos beber a força de que precisamos para seguir o Senhor até ao Céu sem desfalecer pelo caminho.


A multiplicação dos pães é com efeito figura da Eucaristia, que é viático para todos nós, não apenas no fim da vida quando se empreende a viagem para ó além, mas durante a vida toda. Ela aperfeiçoa a graça do Batismo, dando-nos força para não cair, e alentando e desenvolvendo a vida de Deus em nós até desabrocharmos na plenitude da pátria aonde vamos.

O Rei Davi


Leitura da Epístola da Missa:

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos (Rom. 6, 3-11) - Irmãos: Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova. Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição. Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que seja reduzido à impotência o corpo (outrora) subjugado ao pecado, e já não sejamos escravos do pecado. (Pois quem morreu, libertado está do pecado.) Ora, se morremos com Cristo, cremos que viveremos também com ele,  pois sabemos que Cristo, tendo ressurgido dos mortos, já não morre, nem a morte terá mais domínio sobre ele. Morto, ele o foi uma vez por todas pelo pecado; porém, está vivo, continua vivo para Deus! Portanto, vós também considerai-vos mortos ao pecado, porém vivos para Deus, em Cristo Jesus.

Evangelho do Domingo:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Marcos (Mac 8, 1-9): Naqueles dias, como fosse novamente numerosa a multidão, enão tivessem o que comer, Jesus convocou os discípulos e lhes disse: Tenho compaixão deste povo. Já há três dias perseveram comigo e não têm o que comer. Se os despedir em jejum para suas casas, desfalecerão no caminho; e alguns deles vieram de longe! Seus discípulos esponderam-lhe: Como poderá alguém fartá-los de pão aqui no deserto?  Mas ele perguntou-lhes: Quantos pães tendes? Sete, responderam. Mandou então que o povo se assentasse no chão. Tomando os sete pães, deu graças, partiu-os e entregou-os a seus discípulos, para que os distribuíssem e eles os distribuíram ao povo. Tinham também alguns peixinhos. Ele os abençoou e mandou também distribuí-los. Comeram e ficaram fartos, e dos pedaços que sobraram levantaram sete cestos. Ora, os que comeram eram cerca de quatro mil pessoas. Em seguida, Jesus os despediu.

 Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Nenhum comentário: