QUARTA-FEIRA DAS TÊMPORAS DE PENTECOSTES

Elias, O Profeta


"O dom da fortaleza é a virtude permanente com que o Espírito Santo informa a nova vontade, para que, mediante ela, vençamos as dificuldades que nos desviam da prática do bem" (Pe. Meschler).

As quatro têmporas do inverno (verão - hemisfério Norte) coincidem sempre com a oitava de Pentecostes. A Igreja oferece a Deus as primícias da nova estação e ora com instância pelos novos presbíteros que no próximo sábado vão receber o Espírito Santo no sacramento da Ordem. A liturgia continua a falar aos neo-batizados e a recordar-lhes os milagres de Pentecostes e a multiplicação prodigiosa dos fiéis durante as maravilhas operadas pelos Apóstolos. Também eles foram conduzidos a Jesus, levados ao Pai, que os tirou do exílio de onde viviam, para gozarem da liberdade e dos privilégios com que Deus enobreceu o seu povo.

Epístola

Leitura dos Atos dos Apóstolos (2, 14-21 ): Naquele tempo: Pedro então, pondo-se de pé em companhia dos Onze, com voz forte lhes disse: Homens da Judéia e vós todos que habitais em Jerusalém: seja-vos isto conhecido e prestai atenção às minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, visto não ser ainda a hora terceira do dia. Mas cumpre-se o que foi dito pelo profeta Joel: Acontecerá nos últimos dias - é Deus quem fala -, que derramarei do meu Espírito sobre todo ser vivo: profetizarão os vossos filhos e as vossas filhas. Os vossos jovens terão visões, e os vossos anciãos sonharão. Sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei naqueles dias do meu Espírito e profetizarão. Farei aparecer prodígios em cima, no céu, e milagres embaixo, na terra: sangue fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas e a lua em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor. E então todo o que invocar o nome do Senhor será salvo (Jl 3,1-5)

 Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São João: Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos:
Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu hei de ressuscitá-lo no último dia.
Está escrito nos profetas: Todos serão ensinados por Deus (Is 54,13). Assim, todo aquele que ouviu o Pai e foi por ele instruído vem a mim.
Não que alguém tenha visto o Pai, pois só aquele que vem de Deus, esse é que viu o Pai.
Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna.
Eu sou o pão da vida.
Vossos pais, no deserto, comeram o maná e morreram.
Este é o pão que desceu do céu, para que não morra todo aquele que dele comer.
Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo.
A essas palavras, os judeus começaram a discutir, dizendo: Como pode este homem dar-nos de comer a sua carne?
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

Comentários