Santo Ofício: O Mito da "Superpopulação"

Uma "Bomba" Populacional?
 
Os controlistas nos venderam o controle de população como algo necessário e urgente... Têm-nos feito acreditar que somos muitos no mundo e que os países, especialmente os mais pobres, devem impor drásticas políticas de redução da taxa de natalidade, ou muito em breve, todos morreremos por falta de recursos ou porque, sendo muitos, poluiremos nossos planetas até torná-lo impossível de ser habitado.
 
Para não poucos católicos "venderam" a história de que somos muitos e de que a Igreja é "retrógrada" por opor-se ao controle da natalidade. Alguns, inclusive terminaram dizendo "sou católico... mas estou de acordo com o controle da natalidade".
 
Mas, ALTO!
 
Realmente é necessário o controle de natalidade?
 
Estamos ficando sem mantimentos?
 
Estamos ficando sem espaço?
 
As nações pobres são pobres porque têm muita gente?
 
Aqui temos algumas respostas aos mitos da superpopulação
 
O Nascimento de um Mito
 
O Mito do controle populacional não surgiu do nada nem tampouco é uma idéia moderna apoiada em dados científicos. É um mito criado pelo economista inglês Robert Thomas Malthus (1766-1834). Malthus aplicava um aumento aritmético às subsistências e um geométrico à população, adotando para suas projeções períodos de 25 anos cada um. Malthus aplicou esta hipótese a sua nativa Inglaterra: assim, nos primeiros 25 anos, população e abastecimento resultam iguais, porque ambos foram dobrados. No seguinte período a população chegaria aos 28 milhões, mas com um abastecimento adequado apenas para 21 milhões. Ao término do quarto período (que Malthus destaca como 1898), a população chegaria a 112 milhões, porém o abastecimento alcançaria somente a 35, ficando 77 milhões de seres totalmente privados de mantimentos.

                E que aconteceu? Bom... Qualquer um sabe que o país de Malthus -não um e sim quase dois séculos depois- conta com pouco menos de 58 milhões de habitantes e supera em 32 pontos o nível mínimo de necessidades calóricas per cápita.
 
A lei de Malthus e seu cálculo, simplesmente carecem de respaldo nos fatos; constituem um engano intelectual, típico da ciência do século XIX: atribuir aos fatos sociais complexos as características da matéria física e de variáveis e elementos de número manejáveis.
 
Tudo não passaria da anedota se não fora porque muitos e poderosos personagens fazem com que o cálculo maltusiano siga tendo vigência e que se invoque para justificar as políticas coercitivas e a quantidade exagerada de inversão publicitária feita com recursos públicos.
 
Desmentindo Mito por Mito
 
"Acabam-se os recursos”
 
Instituições como a Conferência das Nações Unidas para a Conservação dos Recursos chegou há predizer que para 1975 -quer dizer, muitos anos atrás- teriam se esgotado as reservas de chumbo, cromo, zinco e cobre do mundo.
 
Os mantimentos e outros recursos naturais, para 1980, não alcançariam para satisfazer as demandas do mundo inteiro e o pouco que tivesse seria vendido a preços exorbitantes.
 
A Verdade:
 
- O preço de todos os metais e minerais, incluindo o petróleo, registraram um decréscimo sustentado. Os metais não só não se tornaram escassos, mas também hoje são vendidos mais baratos que em 1968 ou 1975.
 
 
Fonte: ACI Digital

Comentários