Preparação para a morte: Das penas do inferno

PONTO II
A pena do sentido que mais atormenta aos réprobos é o fogo do inferno, tormento do tacto (Ecl 7,19). O Senhor o mencionará especialmente no dia do juízo: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno” (Mt 25,41). Mesmo neste mundo, o suplício do fogo é o mais terrível de todos. Entretanto, há tamanha diferença entre as chamas da terra e as do inferno, que, segundo afirma Santo Agostinho, em comparação daqueles, as nossas são como fogo pintado; ou como se fossem de gelo, acrescenta São Vicente Ferrer. E a razão consiste em que o fogo terreal foi criado para utilidade nossa, ao passo que o do inferno foi criado expressamente para castigo. “Mui diferentes são — diz Tertuliano — o fogo que se utiliza para uso do homem e o que serve para a justiça de Deus”. A in-dignação de Deus é que acende essas chamas de vingança (Jr 15,14); e por isso Isaías chama espírito de ardor ao fogo do inferno (Is 6,4). O réprobo estará dentro dessas chamas, envolvido por elas, como um pedaço de lenha numa fornalha. Terá um abismo de fogo debaixo de seus pés, imensas massas de fogo sobre sua cabeça e ao derredor de si. Quando vir, apalpar ou respirar, fogo há de respirar, apalpar e ver. Estará submergido em fogo como o peixe em água. E essas chamas não cercarão apenas o condenado, mas penetrarão nele, em suas próprias entranhas, para atormentá-las. Todo o corpo será pura chama; arderá o coração no peito; as vísceras, no ventre; o cérebro, na cabeça; nas veias, o sangue; a medula, nos ossos. Cada condenado converter-se-á numa fornalha ardente (Sl 20,10).

Há pessoas que não suportam o ardor de um solo aquecido pelos raios do sol, que não sofrem estar junto a um braseiro num quarto fechado, que não resistem à chama de uma lâmpada, e contudo não temem este fogo devorador, como lhe chama Isaías (Is 33,14). Assim como uma fera devora um tenro cordeirinho, assim as chamas do inferno devorarão o condenado. Devorá-lo-ão sem o fazer morrer. “Continua, pois, insensato — diz São Pedro Damião, dirigindo-se ao voluptuoso — continua a satisfazer tua carne, que virá um dia em que tuas impurezas se converterão em ardente pez dentro de tuas entranhas e tornarão mais intensa e mais abrasadora a chama infernal em que hás de arder” . Acrescenta São Jerônimo que aquele fogo trará consigo todos os tormentos e todas as dores que nos atribulam na terra4; até o tormento do frio se padecerá ali (Jó 24,19). E tudo com tal in-tensidade que, segundo disse São João Crisóstomo, os padecimentos deste mundo são pálida sombra em comparação aos do inferno.

As faculdades da alma terão também o seu castigo apropriado. O tormento da memória será a viva recordação do tempo que, em vida, teve o condenado para salvar-se e que empregou em perder-se, e das graças que Deus lhe concedeu e que foram desprezadas. O entendimento sofrerá ao considerar o grande bem que perdeu perdendo a Deus e o céu, ponderando que essa perda é já irreparável. A vontade verá que se lhe nega tudo quanto deseja (Sl 140,10). O desventurado réprobo nunca obterá nada do que quer, e sempre terá aquilo que mais o aborreça, isto é, males sem fim. Quererá livrar-se dos tormentos e desfrutar paz. Mas sempre será atormentado, jamais encontrará momento de repouso.

AFETOS E SÚPLICAS

Vosso sangue e vossa morte são minha esperança, meu Jesus.
Morrestes para salvar-me da morte eterna. E quem, Senhor, recebeu maior parte dos merecimentos da vossa paixão do que este miserável, que tantas vezes mereceu o inferno?... Não permitais que continue sendo ingrato a tantas graças que me concedestes. Livrando-me do inferno, quisestes que não ardesse eu nas chamas eternas, mas no doce fogo do vosso amor. Ajudai-me, pois, a cumprir os vossos desejos. Se estivesse no inferno, não poderia amar-vos. Mas, já que ainda posso amar, quero amar-vos... Amo-vos, Bondade infinita; amo-vos, meu Redentor, que tanto me tendes amado. Como é que pude viver tanto tempo sem me lembrar de vós? Agradeço-vos, Senhor, não me terdes esquecido. Ao contrário, esta-ria agora no inferno, ou não teria arrependimento dos meus pecados. Esta dor do coração por ter-vos ofendido, este desejo que sinto de muito vos amar, são dons da vossa graça, que me auxilia e vivifica... A-gradecido, meu Deus. Espero consagrar-vos a vida, que me resta. A tudo renuncio; quero pensar unicamente em vos servir e agradar. Imprimi em minha alma a recordação do inferno que mereci e da graça que me concedestes. Não permitais que, apartando-me outra vez de vós, volte a condenar-me eu mesmo aos tormentos daquele cárcere...

Ó Mãe de Deus, rogai por este pecador arrependido! Vossa intercessão livrou-me do inferno. Livrai-me também do pecado, único motivo capaz de acarretar-me nova condenação.

V/: Requiem aeternam dona eis, Domine, et lux perpetua luceat eis. Requiescant in pace. R:/ Amém.

Fonte: Preparação para a Morte - Santo Afonso Maria de Ligório - Considerações sobre as verdades eternas - Tradução de Celso de Alencar - Versão PDF de FL. Castro - 2004

Comentários