segunda-feira, 14 de março de 2016

SEGUNDA-FEIRA DA PAIXÃO

A Estação hoje se reuina em São Crisóstomo de Transtévere. A Epístola recorda hoje aos penitentes públicos o perdão concedido aos Ninivítas que admoestados por Jonas se cobriram de cilício  jejuaram durante quarenta dias. O Evangelho promete hoje aos catecúmenos rios de água viva que o Espírito Santo lhes fará provar na alma para lhes extinguir a sede para sempre. Não somos catecúmenos nem penitentes públicos, mas a Páscoa vai nos proporcionar ocasião de beber de novo nas águas vivificantes do batismo e de renovar a nossa vida na morte e ressurreição do Senhor.


Epístola

Leitura do profeta Jonas (3, 1-10) Naqueles dias: A palavra do Senhor foi dirigida pela segunda vez a Jonas nestes termos: Vai a Nínive, a grande cidade, e faze-lhe conhecer a mensagem que te ordenei. Jonas pôs-se a caminho e foi a Nínive, segundo a ordem do Senhor. Nínive era, diante de Deus, uma grande cidade: eram precisos três dias para percorrê-la. Jonas foi pela cidade durante todo um dia, pregando: Daqui a quarenta dias Nínive será destruída. Os ninivitas creram (nessa mensagem) de Deus, e proclamaram um jejum, vestindo-se de sacos desde o maior até o menor. A notícia chegou ao conhecimento do rei de Nínive; ele levantou-se do seu trono, tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. Em seguida, foi publicado pela cidade, por ordem do rei e dos príncipes, este decreto: Fica proibido aos homens e aos animais, tanto do gado maior como do menor, comer o que quer que seja, assim como pastar ou beber. Homens e animais se cobrirão de sacos. Todos clamem a Deus, em alta voz; deixe cada um o seu mau caminho e converta-se da violência que há em suas mãos. Quem sabe, Deus se arrependerá, acalmará o ardor de sua cólera e deixará de nos perder! Diante de uma tal atitude, vendo como renunciavam aos seus maus caminhos, Deus arrependeu-se do mal que resolvera fazer-lhes, e não o executou.


+ Sequência do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João: Naquele tempo os fariseus ouviram esse murmúrio que circulava entre o povo a respeito de Jesus. Então, de acordo com eles, os príncipes dos sacerdotes enviaram guardas para prendê-lo. Disse Jesus: Ainda por um pouco de tempo estou convosco e então vou para aquele que me enviou. Buscar-me-eis sem me achar, nem podereis ir para onde estou. Os judeus perguntavam entre si: Para onde irá ele, que o não possamos achar? Porventura irá para o meio dos judeus dispersos entre os gregos, para tornar-se o doutor dos estrangeiros? Que significam essas palavras que nos disse: Buscar-me-eis sem me achar, e onde estou para lá não podereis ir? No último dia, que é o principal dia de festa, estava Jesus de pé e clamava: Se alguém tiver sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura: Do seu interior manarão rios de água viva (Zc 14,8; Is 58,11). Dizia isso, referindo-se ao Espírito que haviam de receber os que cressem nele, pois ainda não fora dado o Espírito, visto que Jesus ainda não tinha sido glorificado.


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 
1960.

Nenhum comentário: