sábado, 23 de julho de 2016

X Domingo Depois de Pentecostes: "Todo o que se exalta será humilhado, e todo que se humilha será exaltado." (Ev.)

O Fariseu e o Publicano
A Liturgia deste domingo procura inculcar no espírito dos fiéis o sentido justo da humildade cristã, que consiste em atribuir a Deus todo o bem verdadeiro e toda santidade. Porque os nossos atos, com efeito, só poderão ser sobrenaturais, isto é santos, se procederem do Espírito que Jesus enviou aos Apóstolos no dia de Pentecostes, e que não cessa de conceder aqueles que humildemente lho pedem. Pelo que a obra da nossa santificação é inteiramente impossível, se tentarmos realizá-la sozinhos. É necessário reconhecer a nossa incapacidade, as nossas más tendências, toda esta gama de coisas mínimas e imponderáveis que não vemos e nos fazem apalpar tristemente a lama original da nossa natureza; é necessário, digo, reconhecer tudo isto, ser humildes, portanto, para sentimos a necessidade de pedir e Deus ter ocasião de nos dar. Porque Deus reconhece longe os orgulhosos e vê de perto os humildes. O orgulho é, portanto, o maior inimigo das almas.

A Igreja desenvolve este pensamento, de modo tristemente realístico, nas lições do breviário. Atália, depois de ter cometido os mais graves atentados contra Deus de Jacó, de Abraão e dos profetas e de ter levado o seu arrojo e o seu orgulho ao ponto de levantar no átrio do templo um altar à Baal, foi lançada numa janela de seu palácio à rua e devorada pelos cães. E Joás, um pobre órfão, descendente de Davi, mas perseguido pela fúria de Atália, que procurava extinguir toda a família real para melhor assegurar a impunidade de seus crimes, foi alçado ao poder com sete anos de idade e dele deixou a Sagrada Escritura este belo elogio:"Joás praticou o que era justo diante de Deus". É que há duas classes de homens, conform diz Pascal: "Os santos que se julgam réus de todos os crimes e os pecadores que não encontram em sim culpa alguma. Os primeiros são humildes e Deus os glorificam, os segundos são orgulhosos e então Deus os abate e os castigam.


Coroação de Joás
 "Deus, segundo São João Crisóstomo, verbera o orgulhoso. Ele submergiu o mundo, queimou Sodoma, destruiu o exército dos egípcios, porque, não tenhamos dúvidas, foi Deus que feriu todos estes povos. Mas, direis vós, Deus é bom e é Pai. Todavia, estas não são palavras vazias, mas fatos que não podemos negar. Ou não foi punido o rico que desprezou Lázaro? E as Virgens tolas não foram repudiadas pelo esposo? O Senhor diz que sim! Ora pelo que o Senhor disse e fez no passado podemos prever o que fará no futuro. Tenhamos portanto sempre diante de nós o rio de fogo as cadeias que rolam, as trevas, o ranger dos dentes e o verme que dilacera. Será o modo mais eficaz de cultivarmos a humildade que nos faz dizer com a Igreja: "Clamei pelo Senhor e ele ouviu-me" (Intr.).

Defendei-me, Senhor, como a pupila dos olhos. Vós vede Senhor, o que é reto e justo (Grad.). Ao senhor elevei a minha alma e nele coloquei a minha esperança. Não me torneis, Senhor, objeto de irrisão para aqueles que me querem mal.

Meditemos além disso na grande lição do evangelho de hoje, do fariseu e do Publicano.

Santo Joás
Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios (ICor 12, 2-11) - Irmãos: Sabeis que, quando éreis pagãos, vos deixáveis levar, conforme vossas tendências, aos ídolos mudos. Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas um só Espírito. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas. Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz.

Evangelho de Domingo:
 Continuação do Santo Evangelho segundo São Lucas. Naquele tempo: Propôs Jesus esta parábola a uns que confiavam em si mesmo, como (se fossem) justos, e desprezavam os outros: Subiram dois homens ao templo a fazer oração: um fariseu e outro publicano. O fariseu, de pé, orava no interior desta forma: Graças te dou, ó Deus, porque não sou como os outros homens: ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes na semana; pago o dízimo de tudo o que possuo. O publicano, porém, conservando-se a distância não ousava ainda nem levantar aos olhos ao Céu, mas batia no peito dizendo: Meu Deus, tende piedade de mim pecador. Digo-vos que este voltou justificando para sua casa, e não outro; porque quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado.
                      (Fonte Missal Quotidiano - Dom Gaspar Lefebvre - 1957)

Nenhum comentário: