domingo, 28 de outubro de 2012

Novena das Almas - 5º Dia


A palavra Purgatório não é encontrada na Sagradas Escrituras, como também não encontramos diversas palavras como "sacramento da confissão", "Eucaristia" e "Crisma". No entanto, a Bíblia descreve diversas situações e lugares aos quais a Igreja denominou Purgatório, obtendo para si fundamento na tradição escrita desta doutrina.

Em II Macabeus 12, 43-46 (livro blasfemamente retirado da bíblia pelos protestantes), lemos: "Em seguida, fez uma coleta, enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas, para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados: belo e santo modo de agir, decorrente de sua crença na ressurreição, porque, se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles. Mas, se ele acreditava que uma bela recompensa aguarda os que morrem piedosamente, era esse um bom e religioso pensamento; eis por que ele pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres de suas faltas". Ora, ser livre dos pecados, depois de morto, pelo sacrifício expiatório, indica claramente a existência do Purgatório.

Alguns biblistas percebem a confirmação do Purgatório pela doutrina de Jesus quando ele diz em Mateus 5,25-26: "Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás em caminho com ele, para que não suceda que te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao seu ministro e sejas posto em prisão. Em verdade te digo: dali não sairás antes de teres pago o último centavo". Ora, sair desta prisão depois da morte, depois de ter pago o último centavo, seja pelo sofrimento próprio a que se é submetido ou pela orações e expiações dos vivos só é possível com o entendimento do purgatório, já que se a alma for condenada ao inferno, jamais poderá sair.

Outras referências bíblicas sobre a existência de um lugar de tormentas paras os mortos que morreram na graça de Deus, mas tendo pecados a expiar, seria em I Coríntios 3, 12-15: "Agora, se alguém edifica sobre este fundamento, com ouro, ou com prata, ou com pedras preciosas, com madeira, ou com feno, ou com palha, a obra de cada um aparecerá. O dia (do julgamento) demonstrá-lo-á. Será descoberto pelo fogo; o fogo provará o que vale o trabalho de cada um. Se a construção resistir, o construtor receberá a recompensa. Se pegar fogo, arcará com os danos. Ele será salvo, porém passando de alguma maneira através do fogo". Aqui nesta passagem a tradição entendia o fogo como sendo do Purgatório.

(Fonte: Resposta da Bíblia - Pe. Vicente, SVD - Ed. Pe. Reus - 1998)

Oração: Ó meu Senhor, Jesus Cristo, eu vos adoro descendo ao limbo para libertar as almas que de ti esperavam a sua descida; eu vos que não permitais que minha alma entre nas infernais prisões eternos. Amém.

Pai-Nosso; Ave-maria; Glória-ao-Pai...


Para a Intercessão de São Gregório Papa:

Ó meu Senhor e Deus, Jesus Cristo, que admiravelmente revelastes o mistério de vossa Santíssima Paixão ao vosso bem-aventurado servo São Gregório: peço-vos que a este miserável pecador concedais alcançar aquela perfeita remissão de pecados, que o mesmo vosso venerável pontífice, com abundante autoridade apostólica, liberalmente concedeu a todos que verdadeiramente se arrependessem e meditassem o progresso de vossa admirável paixão. Que vives e reinas por todos os séculos dos séculos. Amém.

Estas orações de São Gregório e Pai-nossos e Ave-marias que tenho rezado, ofereço-vos aos sagrados merecimentos da paixão e morte de meu Senhor, a quem peço mas que receba em desconto e satisfação de minhas culpas e pecados, confirmando o que São Gregório e outros pontífices tem concedido a quem as rezar diante da imagem do mesmo Senhor: e de tudo quanto ganho e minha vontade que Deus Nosso Senhor aplique o que for servido para tirar do purgatório a alma que seja mais que minha obrigação de seu santo serviço, bem e glória. Amém.

Nenhum comentário: