XIII Domingo depois de Pentecostes: "Levanta-te, vai; a tua fé te salvou" (Ev)

Elias, O Profeta

Continua a Santa Igreja a ler os livros sapiensais começada no domingo passado pela celebrada sentença do sábio: "Vaidade das vaidades, tudo é vaidade". Quando Salomão se deixou arrastar pela onda subversiva do amor das coisas da terra pensou e e chegou a convencer-se de que eram realmente grandes e admiráveis. E nessa convicção não se poupou a trabalhos e cuidados para amontoar ouro e a construir palácios e a se proporcionar os mais requintados prazeres, mas quando voltou-se a si mesmo, à luz da sabedoria divina, o abismo tenebroso e o nada que era aquilo tudo, arrancou este grito sublime e verdadeiramente digno dos céus: "Vaidade das vaidades é tudo vaidade". E não podemos exigir de Salomão uma sabedoria perfeita visto que vivia na lei antiga que não vedava de todo estas coisas, que diremos de nós que somos chamados a uma vida mais elevada senão que devemos imitar as virtudes celestes que são só espírito e inteligência? 
Toda missa de hoje anda precisamente sobre um ponto, e procura a excitar a nossa fé em Jesus Cristo, o único que nos poderá arrancar desta miséria em que vivemos. Já no antigo testamento, dizia São Paulo que era a fé em Jesus Cristo que o salvara. Existia a lei, é verdade, era por si impotente para resgatar o gênero humano e o próprio Abraão fora salvo pela fé. O Evangelho vem nos dizer o mesmo, quando o se lê que o Senhor curou dez leprosos e somente um voltou para lhe render graças. Os outros que não as deram foram rejeitados. Já o que voltou para agradecer o Senhor fora acolhido na Igreja de Cristo. Assim o Judeus por seu orgulho perderam também o reino que os profetas lhes anunciaram e o Filho de Deus lhes veio abrir. Pelo contrário, nós todos, descendentes dos gentios, dissemos a Jesus que colocamos nele toda a nossa esperança e que ele nos salvaria e alentaria com maná do seu corpo santíssimo até chegarmos à pátria que antevemos para além do deserto desta vida terrena.

Epístola de Domingo:
Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas (3, 16 - 22) - Irmãos: Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: aos seus descendentes, como se fossem muitos, mas fala de um só: e a tua descendência (Gn 12,7), isto é, a Cristo. Afirmo, portanto: a lei, que veio quatrocentos e trinta anos mais tarde, não pode anular o testamento feito por Deus em boa e devida forma e não pode tornar sem efeito a promessa. Porque, se a herança se obtivesse pela lei, já não proviria da promessa. Ora, pela promessa é que Deus deu o seu favor a Abraão. Então que é a lei? É um complemento ajuntado em vista das transgressões, até que viesse a descendência a quem fora feita a promessa; foi promulgada por anjos, passando por um intermediário. Mas não há intermediário, tratando-se de uma só pessoa, e Deus é um só. Portanto, é a lei contrária às promessas de Deus? De nenhum modo. Se fosse dada uma lei que pudesse vivificar, em verdade a justiça viria pela lei; mas a Escritura encerrou tudo sob o império do pecado, para que a promessa mediante a fé em Jesus Cristo fosse dada aos que crêem.

Evangelho de Domingo:


Continuação do Santo Evangelho segundo São Lucas. Naquele tempo: Sucedeu que, indo (Jesus) para Jerusalém, passava por meio da Samaria e da Galiléia. E, ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro de dez leprosos, que pararam ao longe; e levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem compaixão de nós! Tendo-os ele visto, disse-lhes: Ide, mostrai-vos aos sacerdotes. Aconteceu que, enquanto iam, ficaram limpos, um voltou atrás, glorificando a Deus em alta voz; e prostrou-se por terra a seus pés, dando-lhe graças; e este era samaritano. E Jesus disse: Não são dez os que foram curados? E os outros noves onde estão? Não se encontrou quem voltasse, e desse glória a Deus, senão este estrangeiro. E disse para ele: Levanta-te, vai; a tua fé te salvou.
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Comentários