terça-feira, 5 de junho de 2012

Preparação para a morte: Abuso da divina misericórdia III

Jesus é sepultado
PONTO III

Lê-se na Vida do Padre Luís de Lanusa que, certo dia, dois amigos passeavam juntos em Palermo. Um deles, chamado César, que era ator, vendo o seu companheiro pensativo em extremo, disse-lhe: “Apostaria que te foste confessar, e por isso estás tão preocupado... Eu não quero acolher tais escrúpulos... Escuta: Disse-me um dia o Padre Lanusa que Deus me concedia ainda doze anos de vida, e que, se nesse tempo não me emendasse, morreria de má morte. Viajei depois por muitos países; sofri de diversas doenças, uma das quais me levou às portas da morte...

É neste mês que se completam os famosos doze anos, e sinto-me disposto como nunca...” Após esta fala, César convidou seu amigo a ver, no sábado seguinte, a estréia de uma comédia de sua autoria... Naquele sábado, dia 24 de novembro de 1668, quando César se dispunha a entrar em cena, foi acometido subitamente de uma congestão e veio a morrer repentinamente nos braços de uma atriz. Assim acabou a comédia. Pois bem, meu irmão, quando o demônio, por meio da tentação, te excita outra vez ao pecado, se quiseres condenar-te podes cometer livremente o pecado; mas então não digas que desejas tua salvação.

Quando quiseres pecar, considera-te como condenado, e imagina que Deus dita tua sentença, dizendo: Que mais posso fazer por ti, ingrato, além do que já fiz? (Is 5,4). Já que queres condenar-te, condena-te, condena-te, pois... a culpa é tua.  Dirás, acaso: onde está então a misericórdia de Deus?... Desgraçado! Não te parece misericórdia o ter-te Deus suportado tanto tempo, apesar de tantos pecados? Prostrado diante dele e com o rosto em terra, devias estar a render-lhe graças e dizendo: “Graças à misericórdia do Senhor é que não temos sido condenados” (Lm 3,2). Cometendo um só pecado mortal, incorreste em delito maior do que se tives-ses calcado aos pés o primeiro soberano do mundo. E tantos e tais tens cometido que, se essas ofensas fossem feitas a teu irmão, este não as teria aturado... Deus, entretanto, não somente te esperou, mas te vem chamando muitas vezes, e oferece-te o perdão. Que mais devia fazer? (Is 5,4). Se Deus tivesse necessidade de ti, ou se o houvesses honrado com grandes serviços, poderia ter-se mostrado mais clemente contigo? Se depois disto tornastes a ofendê-lo, farias que sua divina misericórdia se trocasse em indignação e castigo.

Se aquela figueira, encontrada estéril por seu do-no, não desse fruto depois do ano concedido como prazo para cultivá-la, quem ousaria esperar que se lhe desse mais tempo e não fosse cortada? Escuta, pois, o que diz Santo Agostinho: “Ó árvore infrutuosa! o golpe de derrubada foi diferido. Mas não te creias mais segura, porque serás cortada!” A pena foi adiada — diz o Santo, — mas não suprimida. Se tornares a abusar da misericórdia divina, o castigo te atingirá: serás cortado. Esperas, portanto, que o próprio Deus te envie ao inferno? Mas, se te envia, já o sabes, jamais haverá remédio para ti. O Senhor se cala, mas não para sempre. Quando chega a hora da justiça, quebra o silêncio.“Isto fizeste, e eu calei-me. Pensaste iniquamente que eu seria como tu; argüir-te-ei e porei (tudo) diante de teu rosto” (Sl 49,21). Porá diante dos teus olhos os atos da divina misericórdia e fará com que eles mesmos te julguem e condenem.

AFETOS E SÚPLICAS

Meu Deus, que desgraça para mim, se, depois de ter recebido a luz que agora me dais, voltasse a ser infiel, cometendo traição. Essas luzes são sinais de que quereis perdoar-me. Arrependo-me, ó Sumo Bem, de todas as ofensas que fiz à vossa infinita bondade. Por vosso preciosíssimo sangue, espero, com certeza, o perdão. Mas, se tornasse a afastar-me de vós, reconheço que mereceria o inferno, criado de propósito para mim. Tremo, Deus de minha alma, à vista da possibilidade de tornar a perder vossa graça. Muitas vezes já vos prometi ser fiel, e depois, in-felizmente, tornei a rebelar-me contra vós... Não o permitais, Senhor; não me deixeis cair na imensa desgraça de ver-me convertido outra vez em inimigo vosso. Dai-me outro castigo, mas este, não. “Não permitais que me aparte de vós”. Se prevedes que vos hei de tornar a ofender, fazei antes que perca a vida. Aceito a morte mais dolorosa que ter de chorar a desdita de ver-me privado de vossa graça. Ne permittas me separari a te. Repito-o, meu Deus, e fazei que o repita sempre: “Não permitais que me separe de vós. Amo-vos, meu caríssimo Redentor, e não quero mais separar-me de vós”. Pelos merecimentos de vossa morte, concedei-me amor tão fervoroso que convosco me una estreitamente e jamais possa desprender-me de vós.

Ajudai-me, ó Virgem Maria, por vossa intercessão; alcançai-me a santa perseverança e o amor para com Cristo Jesus.

V/: Requiem aeternam dona eis, Domine, et lux perpetua luceat eis. Requiescant in pace. R:/ Amém.

Fonte: Preparação para a Morte - Santo Afonso Maria de Ligório - Considerações sobre as verdades eternas - Tradução de Celso de Alencar - Versão PDF de FL. Castro - 2004

Nenhum comentário: