Civilização e Costumes: Decadência moral e religiosa


A festa do carnaval tem seus valores culturais
que infelizmente foram deturpados pelo
erotismo e os exageros.

Está chegando o Carnaval e com ele as festas bacanais, orgias e bebedeiras. Aproxima-se uma festa que teve suas origens no paganismo e que posteriormente foram adaptadas as diretrizes da fé cristã. Durante a Idade Média, Idade da Luz e da Fé, estas celebrações eram bem comportadas e cheias de moral e bom senso, porém nos dias atuais estas mesmas celebrações trazem de volta os erros do paganismo com suas mazelas a toda sociedade.



O carnaval segue o ciclo da Páscoa, pois durante a cristianização dos povos, era uma festa dedicada aos excessos e a fartura de comer carne antes do grande Jejum Quaresmal. Há muitos anos o carnaval não tem mais nenhuma ligação com a Quaresma católica, apesar de seu calendário ainda seguir de forma tradicional os três dias que antecedem a Quarta-feira de cinzas. Nos dias contemporâneos não se respeita mais o calendário, pois suas festividades começam um mês antes e terminam desrespeitosamente dentro do período da santa quaresma.



A Igreja não proíbe seus fiéis de comemorações saudáveis e dignas, desde que, não fira sua integridade moral, espiritual e do bom senso comum. Todas as celebrações e festas honrosas que não venham ofender a Deus não devem ser motivos de censura, mas sim de júbilo. Este não é o caso da maioria das festas carnavalescas que usam de forma banal o erotismo, a prostituição, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas entre outras drogas.



Todos os batizados são chamados a uma vida coerente com os ensinamentos de Jesus, porém muitos são os batizados e poucos são os que fazem jus a sua condição. Os males de nossa sociedade giram em torno de uma cultura que exalta o erotismo, as drogas, a prostituição, e todas as formas desagradáveis que levam os filhos de Deus batizados a um estado deplorável de morte espiritual.




A vaidade torna o homem cego e egocêntrico,
pois nada que está em sua volta importa,
a não ser a si próprio.
Não é possível combater os males sem antes reconhecer as suas raízes ou simplesmente ignorá-las. A pedofilia, a prostituição de crianças, jovens e adultos, o aborto em massa, a eutanásia, os homicídios, os assaltos, a cobiça, a avareza, o adultério, a desigualdade, a violência; e tantos outros males brotam de uma sociedade que perdeu seus valores e suas bases. Estamos cada dia mais distantes dos valores do evangelho e mais próximos de falsos valores que buscam apenas o bem material e a negação de Deus.



Devemos, pois nos despir do homem velho e nos vestir do homem novo, conforme nos fala o Senhor no seu Evangelho. Olhemos os santos, os mártires e o próprio Jesus que nos ensinou que a vida neste mundo não tem valia alguma, sem uma entrega e uma dedicação especial a Deus e ao bem comum de todos. Repito-vos, ninguém vive neste mundo para sempre, sendo assim, nossa vida terrena deve ser voltada para a Eternidade. Quem puder compreender que compreenda. (MT 19, 12)



Equipe do Blog “Em defesa da Santa Fé”.



 

Comentários